Banner

Microscópio de força atômica

Universidade disponibiliza equipamento que permite visualizar um objeto com capacidade até mil vezes superior à de um microscópio comum.

 

229_microscopio1
Profa. Flávia Abreu ao lado do microscópio de força atômica.

Entre os equipamentos que a Universidade de Fortaleza dispõe para a realização de pesquisas científicas está o microscópio de força atômica do Laboratório de Materiais do Centro de Ciências Tecnológicas (CCT). O microscópio faz análises da superfície de diversos materiais, possibilitando a visualização de um objeto até mil vezes mais detalhada do que a capacidade máxima de um microscópio comum. Existem apenas outras três universidades com esse tipo de equipamento no Nordeste.

 

“O microscópio dá destaque à Unifor como um local em que é possível fazer pesquisas de ponta. A microscopia de força atômica é uma técnica avançada de análise de materiais e consiste na varredura da superfície da amostra. O microscópio possibilita pesquisas que envolvam a caracterização de propriedades morfológicas, mecânicas e físico-químicas de diversos materiais, como polímeros (plásticos), metais e cerâmicas, fazendo uma análise topográfica tridimensional de suas superfícies. O desenvolvimento dessas pesquisas é muito importante para a indústria, que com o resultado da varredura irá dispor de mais informações para detectar pontos críticos de qualidade, melhorar a qualidade final e até desenvolver novos produtos”, explica a coordenadora do Laboratório de Materiais, professora Flávia Abreu.

 

Alguns projetos já foram desenvolvidos na Unifor com o auxílio do microscópio de força atômica, entre eles o de “Desenvolvimento de ferramentas e componentes para aplicação na construção de rede de distribuição de média tensão com operação a partir do solo”. Este foi realizado em parceria com a Coelce com o objetivo de desenvolver um novo material para confecção de peça fixadora de cabos no topo de isoladores de alta tensão em rede elétrica. Um outro foi o de “Desenvolvimento de Blendas Poliméricas de PP/SBS com propriedades desejáveis para uso em componentes automotivos”, que objetivava caracterizar as propriedades de resíduos de polipropileno (plástico) misturados a outros materiais com a finalidade de avaliar seu desempenho na substituição de plásticos convencionais em componentes automotivos. A pesquisa resultou na formulação de produto de equivalente qualidade e com custo 50% menor.

 

PRÊMIO

229_microscopio2
Aluno Benedito Lima, que vai utilizar
o equipamento para concluir seu TCC.

A pesquisa se reverteu ainda em prêmio para a profa. Flávia e o aluno do curso de Engenharia Mecânica Benedito Lima. Eles fizeram uma adaptação da pesquisa e apresentaram o projeto “Desenvolvimento de blendas de polipropileno reciclado com elastômeros termoplásticos com propriedades desejáveis para uso em componente automotivo”, tirando 2º lugar do Desafio Renault Experience do ano passado. O evento analisa ideias de trabalhos de conclusão de curso (TCC) de alunos de 30 universidades sul-americanas na busca por novas pesquisas para o desenvolvimento do setor automotivo.

 

“A professora Flávia trouxe a ideia e resolvemos participar do Desafio Renault; eu como aluno e ela como orientadora. Utilizamos polipropileno reciclado em vez de virgem, utilizado na pesquisa inicial. Ao substituirmos o PP pelo PP reciclado, constatamos 65% na redução de custos. Este novo material que criamos pode substituir qualquer parte que utilize polipropileno (plástico) no carro, como o para-choque e o painel, mas na pesquisa nos concentramos na proteção da roda. Esta ideia pode ser utilizada na indústria, representando muitos benefícios para a sociedade como o aproveitamento de materiais e consequentemente a redução do lixo, menor consumo de petróleo e redução de custos. Utilizarei o microscópio de força atômica para a conclusão da pesquisa”, acrescenta Benedito.

 

 

 

Leia a edição completa do Unifor Notícias Nº 229

 

Unifor Notícias | Portal Unifor | Fundação Edson Queiroz
Estude na Unifor | Central de Atendimento | Twitter
Fundação Edson Queiroz todos os direitos reservados