Banner

Intercâmbio: fonte de diferentes aprendizados

Higor Uchôa (foto) estudou em universidade sul-coreana no ano passado, embarcou em janeiro para estágio na OEA, em Washington, e já está com proposta de trabalho para quando voltar ao Brasil

227_higoruchoaIdiomas, culturas, novas amizades. Foi isso que Higor Uchôa, aluno do curso de Comércio Exterior, buscou quando decidiu participar da seleção para bolsa de intercâmbio acadêmico na Coreia do Sul. O aluno foi para o país oriental em fevereiro do ano passado, retornou ao país em janeiro e já embarcou para novas aventuras.

O intercâmbio tornou-se possível a partir do convênio firmado entre a Universidade de Fortaleza e a Soongsil University durante a Conferência Anual da National Association of Foreign Student Advisers (Nafsa), evento anual que reúne instituições de ensino superior de todo o mundo.

Higor conta que, assim como os demais alunos, estava em dúvida entre ir aos Estados Unidos ou à Europa. “Quando a Unifor firmou convênio com a universidade da Coreia foi que decidi tentar essa seleção. Acredito que foi algo muito inovador para o meu currículo”, conta. O aluno passou um ano subsidiado por uma bolsa de estudos que cobria também seus custos com moradia. “Morei numa residência universitária com pessoas de vários lugares do mundo”, ressalta.

Durante seu último semestre, Higor também estagiou na Embaixada do Brasil na Coreia, ajudando universitários brasileiros. Sobre o contato com a língua coreana, ele conta que conseguiu aprender o necessário para seu dia a dia, mas que o idioma mais utilizado era o inglês. “Durante as aulas, o professor falava as duas línguas para facilitar o aprendizado, mas nosso material didático era todo em inglês”.

Nem bem pisou em terras brasileiras, Higor embarcou no último dia 22 para Washington, onde passará um semestre estagiando na Organização dos Estados Americanos (OEA). Ao todo, a OEA disponibiliza 86 vagas semestralmente para estudantes das Américas. E não para por aí. Higor já está com uma proposta de emprego para trabalhar em uma empresa coreana quando voltar dos Estados Unidos.

“A experiência de um intercâmbio acadêmico é superimportante na formação do aluno, pois trabalha três perspectivas: acadêmica, cultural – através do contato com colegas de diversos lugares do mundo – e humanística, porque ele aprende a lidar com dificuldades sem o auxílio de sua família. É uma oportunidade em que ele aprende muito, e Higor é um exemplo disso tudo”, comenta o chefe da Assessoria de Assuntos Internacionais, professor João Neto.

A Unifor realiza há 11 anos o Programa de Intercâmbio com o objetivo de apoiar e implementar a cooperação acadêmica, técnica, científica e cultural entre as mais de 160 instituições de 30 países com as quais mantém convênio.

Neste semestre, a Universidade está enviando 42 alunos para fazer intercâmbio acadêmico ao mesmo tempo em que recebe 49 estudantes estrangeiros, oriundos de 11 países, entre eles Alemanha, Espanha, França, Itália e Estados Unidos.

Serviço
Programa de Intercâmbio da Unifor
Para participar, o aluno deve estar regularmente matriculado e ter média igual ou superior a 7,0
Informações: 3477 3127


Leia a edição completa do Unifor Notícias Nº 227

 

Unifor Notícias | Portal Unifor | Fundação Edson Queiroz
Estude na Unifor | Central de Atendimento | Twitter
Fundação Edson Queiroz todos os direitos reservados