Banner

Psicoterapia com Apheto

223unifornoticias_19

Professores e alunos do Laboratório Apheto, do programa de pós-graduação em Psicologia

Laboratório Apheto, do programa de pós-graduação em Psicologia, comemora 10 anos de fundação e lança mais um livro: Clínica do Lebenswelt

O Laboratório de Psicopatologia e Psicoterapia Humanista-Fenomenológica Crítica (Apheto) da Unifor completa 10 anos de fundação. Ele é um dos oito laboratórios do programa de pós-graduação em Psicologia. Como parte das comemorações da data, o Apheto lança o livro Clínica do Lebenswelt: Psicoterapia e Psicopatologia Fenomenológica.

O volume é uma coautoria da fundadora e coordenadora do laboratório, professora Virginia Moreira, com Arthur Tatossian, autor francês morto em 1995. “Esse autor tem muito material inédito ainda e as temáticas são relacionadas às pesquisas que eu desenvolvo. Em 1998, o editor da revista francesa l’Art de Comprendre me convidou para traduzir textos do Tatossian sobre fenomenologia da psicose e desde então fiquei próxima da viúva que confiou a mim outras traduções. Tenho, inclusive, os direitos autorais no Brasil”, afirma Virginia.

O livro é composto por 17 capítulos, nove deles de autoria do professor francês. Os demais são da professora Virginia, que também escreveu capítulos em parceria com alunos e colegas do laboratório. “A tradução foi uma parte muito difícil porque o texto de Tatossian é denso. Ela foi feita por Juliana Pita, Lucas Bloc e Tabata Telles, alunos integrantes do Apheto, com a minha supervisão. É uma literatura especializada que dá a compreensão sobre a vivência do mundo de uma pessoa com doença mental grave. O livro é um diferencial no sentido de proporcionar à comunidade acadêmica brasileira o texto de um autor francês reconhecido e inédito. Ele representa uma fase mais amadurecida como pesquisadora e acadêmica. Foi muito bem cuidado. Alguns colegas já receberam alguns exemplares e têm feito bons comentários”.

223unifornoticias_20

Professora Virginia Moreira:
“O momento é de festa”

APHETO
Criado em 2002, o Laboratório Apheto é composto por mais de 30 estudantes de doutorado, mestrado e de iniciação científica e é financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap).

“O Apheto é uma referência maior no que diz respeito a pesquisas qualitativas fenomenológicas. É um laboratório que prima pela fundamentação teórica e metodológica. As pesquisas são reconhecidas pelo rigor da produção e condução do conhecimento na área. Fazemos uma leitura coletiva às quartas-feiras e todos sabem as pesquisas que estão sendo realizadas pelos demais, e isso enriquece de fato o grupo. Cada aluno tem uma tarefa no laboratório. Temos as comissões de secretaria, financeiro, etc. A atividade organizacional também acrescenta à formação do aluno. Além das nossas relações acadêmicas, primamos pelas relações pessoais”, comenta a professora Anna Karynne Melo, colaboradora e também fundadora do Apheto.

“O Apheto é um espaço de aprendizagem e de interação cada vez mais definido na pós-graduação. Temos realizado alguns contatos e convênios com instituições de ensino e pesquisa do país e de fora, assim como organizado importantes eventos, como o III Colóquio Nacional e o I Colóquio Internacional sobre a Clínica Humanista-Fenomenológica, que vai acontecer no final de 2013. Temos muito o que comemorar”, acrescenta o professor Georges Daniel Janja Bloc Boris, que também coordena o laboratório.

PLANTÃO
Além de pesquisas e eventos, o Apheto oferece há cinco anos um plantão psiquiátrico como projeto de extensão. O Plantão com Apheto, como é chamado, funciona como uma modalidade de atendimento do Serviço de Atendimento da Psicologia (SPA) do Núcleo de Atenção Médica Integrada (Nami), às quintas à noite e sextas à tarde.

“O plantão vai se diferenciar em sua forma processual: é um atendimento único e não tem um tempo delimitado. Outro detalhe é que atendemos pessoasde todas as idades. O plantão quer ajudar essa pessoa a sair mais organizada, mais fortalecida do que quando entrou. Para o aluno, é um estágio desafiante pelo inesperado, pois pode ser qualquer pessoa em qualquer estado. É uma outra possibilidade de retorno da Universidade para a comunidade”, avalia uma das supervisoras do Plantão, professora Liliane Brandão Carvalho.

Serviço
Livro “Clínica do Lebenswelt: psicoterapia e psicopatologia fenomenológica”, de Arthur Tatossian e Virginia Moreira. Lançamento dia 10 de outubro, às 17h30, no auditório A-1 com a mesa-redonda Clínica do Lebenswelt e coquetel no lounge do bloco B. O livro é da Editora Escuta e será vendido na Livraria Cultura a R$55,00.


Leia a edição completa do Unifor Notícias Nº 223

 

Unifor Notícias | Portal Unifor | Fundação Edson Queiroz
Estude na Unifor | Central de Atendimento | Twitter
Fundação Edson Queiroz todos os direitos reservados