Banner

Uma pequena ajuda, um grande diferencial

Universidade disponibiliza desde 2006 programa de apoio psicopedagógico para orientar, acompanhar e ajudar alunos com ou em dificuldades físicas e emocionais. A ideia é fomentar a educação inclusiva, garantindo formação acadêmica e profissional para todos.

211_papCada caso é um caso. A máxima é antiga, mas funciona e atende bem aos propósitos do Programa de Apoio Psicopedagógico (PAP) da Universidade de Fortaleza. Alunos de graduação e pós-graduação com dificuldades de locomoção, deficiência auditiva, visual, com problemas emocionais, dentre outros, podem e devem se utilizar das ações e serviços desse centro. “Levamos em consideração a singularidade do aluno. O PAP também atende pais de alunos com necessidades especiais, conversando, colocando as possibilidades de ajuda oferecidas pela Universidade. A Unifor está sendo reconhecida nacionalmente como universidade inclusiva. Outras instituições de ensino vêm até aqui para saber como funciona o programa e pegar dicas. A importância do projeto é possibilitar o acesso de todos ao ensino superior”, afirma a coordenadora do programa, Terezinha Teixeira Joca.

Segundo ela, a cada início de semestre, o PAP faz um levantamento de quantos alunos estão em necessidades educacionais especiais e analisa junto aos seus coordenadores e professores a melhor forma de oferecer apoio. “O PAP orienta o aluno e o professor. Sugerimos uma adaptação metodológica curricular e avaliativa quando necessário. E isso não quer dizer que o professor vai passar o aluno porque ele tem uma deficiência”, ressalta.

O PAP também promove oficinas e trabalhos em grupos de cunho psicoeducativo. A equipe, composta pela coordenadora, um auxiliar, dois bolsistas e seis estagiários, oferece ainda um plantão diário para escutar o aluno que não esteja se sentindo bem emocionalmente. “Embora não seja o foco do programa, 60% dos alunos vêm em função de problemas emocionais. Alunos que passaram por um problema familiar, por exemplo, encontraram aqui o apoio para não desistir do semestre”, acrescenta Terezinha.

CADA CASO UMA ESPECIFICIDADE
Hermania Domingos Queiroz é formada em Pedagogia pela Unifor e agora cursa Psicologia. Ela é deficiente visual e já foi, inclusive, estagiária do PAP. “Acho que é uma evolução da Universidade ter esse serviço. Sempre fui bem recebida. Tive uma professora que entregou a maior parte dos textos em braile. Na verdade, o que eu mais gostei foi o ajuste de todas as cadeiras em um bloco só”, declara.

Karine Martins possui deficiência auditiva e em sala de aula precisa da ajuda de intérpretes. Ela está no sexto semestre do curso de Fisioterapia. “Acho esse trabalho muito importante. Aqui acontece a inclusão. A Unifor disponibiliza os intérpretes para não haver perda na comunicação e para que o surdo se sinta incluído. O PAP dissemina a cultura dos surdos na Universidade, e isso também nos auxilia”, enfatiza.

Haroldo Pires da Silva é cadeirante e cursa o oitavo semestre de Administração. Ele conheceu o PAP quando de seu início, em 2006, e diz só ter elogios a fazer. “O PAP me atendeu em várias instâncias, como na ampliação de vagas no estacionamento para cadeirantes, no rebaixamento de calçadas e principalmente na locação de salas de aulas no piso térreo. Antes eu pedia para um vigilante me ajudar. Às vezes o vigilante estava ocupado e eu me atrasava. Agora faz uns quatro semestres que eu só tenho aulas em salas do piso térreo. É mais fácil e mais prático”, avalia.

Raphael Mesquita Paiva está no sexto semestre do curso de Direito. É disléxico e diz que desconhecia sua própria deficiência. “Quando entrei na Unifor, eu sabia que tinha um problema sério de ortografia, mas não sabia que era disléxico. Eu me sentia envergonhado. Um dia eu conversei com uma professora e ela me falou sobre o PAP. Lá eu aprendi a acreditar em mim mesmo e melhorei a ortografia. Nas provas, eu disponho de recurso especial: a ortografia não é levada em conta na hora da correção. O PAP aumentou minha autoestima em 100%”, acrescenta.

* Na foto: Karine Martins com a intérprete Natália dos Santos Almeida


Leia a edição completa do Unifor Notícias Nº 211

 

Unifor Notícias | Portal Unifor | Fundação Edson Queiroz
Estude na Unifor | Central de Atendimento | Twitter
Fundação Edson Queiroz todos os direitos reservados