Banner

Adote um estrangeiro amigo

Conheça o Buddy Program, voltado para alunos que desejam ajudar estudantes estrangeiros na Unifor.


UN-262_17

O intercâmbio é uma experiência incrível que, no início, como toda novidade, pode trazer inseguranças. Morar em um país estrangeiro, se deparar com uma cultura muito diferente, frequentar uma instituição com um sistema que você não está acostumado e até mesmo não conhecer ninguém podem ser fatores bastante desafiadores no início da estadia em um novo país. É para diminuir este choque inicial que a Assessoria para Assuntos Internacionais da Unifor implementou o Buddy Program (programa de amizade), uma iniciativa que tem gerado bons frutos tanto para os alunos intercambistas quanto para os locais.

 

Inaugurado em maio de 2016, a partir de uma seleção para as atividades do semestre seguinte, o programa consiste em um apoio voluntário aos estudantes internacionais que chega em Fortaleza, em que o aluno Unifor (denominado “buddy”, um equivalente informal em inglês para “amigo”) se dispõe ao auxílio do intercambista em situações cotidianas (acadêmicas e gerais). “A ideia principal do buddy é de um aluno brasileiro ter a oportunidade de ter uma experiência internacional dentro do campus da Unifor e do aluno estrangeiro que vem pra Unifor ter uma ajuda e um parceiro para se adaptar à realidade brasileira, à cidade e à da própria Unifor”, explica Brunno Pimenta, funcionário do setor de assessoria internacional da Universidade, e um dos idealizadores do programa.

 

No Buddy Program, o auxílio aos alunos intercambistas vem desde atividades simples, como indicar telefones para pedir pizza, até outras mais complexas, como ir ao hospital, e outras acadêmicas, relacionadas a resolver questões da Universidade e apresentá-la ao novo estudante. Desde seu lançamento, o programa tem conquistado uma recepção positiva dos colaboradores e dos alunos de amizade entre eles. “A gente, da Assessoria para Assuntos Internacionais, está sempre tentando acrescentar algo novo para que possa realmente ocorrer esse convívio maior entre o aluno Unifor e o estrangeiro, para que ambos possam criar vínculos de amizade que continuem após o término do intercâmbio”, ressalta a professora Lina Sena, coordenadora da Assessoria. O comprometimento com o programa, além de promover maior crescimento pessoal e social, contempla seus participantes com certificados de carga horária.

 

Durante todo o semestre de participação, os alunos da Unifor preenchem, no mínimo, dois relatórios, onde comentam a experiência e apontam sugestões para melhorias. Os estrangeiros, por sua vez, respondem a um relatório geral da Universidade, que tem o buddy como um dos tópicos. Nesta segunda edição, o certificado aos alunos que participam do Buddy é de 75h, podendo estender-se até 100h. São contabilizadas também a participação em eventos promovidos pela Assessoria de Assuntos Internacionais, assim como em reuniões trimestrais com os alunos brasileiros.

 

É importante esclarecer, no entanto, que o Buddy Program não substitui as atividades de apoio do setor internacional. “Por mais que a gente tenha alunos Unifor dando auxílio aos alunos estrangeiros, a Assessoria Internacional não deixou de dar toda a assistência a esses alunos. O buddy foi só uma forma da gente criar uma ponte de contato mais fácil e uma oportunidade mais tranquila de os alunos conviverem”, complementa Brunno. De acordo com ele, um dos maiores desafios do programa está em encontrar um aluno que tenha um perfil prestativo, e depois ligá-lo

 

a um aluno estrangeiro com perfil e interesses semelhantes, correspondendo às expectativas de ambos. “Temos visto resultados positivos para ambas as partes, alunos Unifor e alunos internacionais, e esperamos que, a cada nova edição do programa, possamos implementar novidades que o aprimorem”, conclui a professora Lina. Com o sucesso do programa e o aumento da quantidade de alunos estrangeiros na Unifor (cerca de 80 por semestre), uma terceira edição deve iniciar inscrições em breve. Mais do que amigo, um buddy “A melhor parte do programa, pra mim, na primeira vez em que participei, foi o contato com a língua estrangeira.

 

Depois, vi que a possibilidade de ajudar uma pessoa que está completamente alheia a tudo que acontece aqui foi gratificante, porque você se sente útil, sente que pode contribuir minimamente para que aquela pessoa se integre”, explica Giselle Ferreira, estudante de Direito da Unifor. Essa é a segunda vez dela no programa, desta vez auxiliando a mexicana Jéssica Rivera. “Acho que aprendi a ser mais desenrolada, mais proativa. Uma dica para quem quer entrar é ser uma pessoa aberta, saber entender outra pessoa, porque ela muitas vezes está ali para ser sua amiga, mas também o vê como fonte de apoio”, complementa, afirmando também que o aluno brasileiro ajuda a “construir” a independência do intercambista na cidade.

 

Outra estudante que repete participação no programa é Juliana Sant’anna, do curso de Ciências Contábeis. Ela conta que seu interesse inicial veio na prática da língua inglesa, que queria manter após voltar do intercâmbio em Londres. No entanto, acabou construindo forte aproximação com os estrangeiros de quem foi buddy. “Quis continuar o programa pelas amizades que fiz. Meu intuito era só praticar o inglês, no começo, e ter contato direto com outra cultura, mas no final fiz mais amigos do que imaginava. E, além da língua, acho muito legal mostrar nossa cultura e nossos costumes para os estrangeiros intercâmbio que estão aqui”, explica Juliana, que costuma ir à praia e apresentar comidas regionais ao alemão Johannes Dallendörfer. “Participar é muito legal porque abre a sua cabeça, amplia horizontes, e você vê que o mundo não é só Fortaleza, e que se outras pessoas conseguem vir para cá, você também consegue ir para outros lugares”.

 

Já o espanhol Marc Blanch, atualmente cursando Administração na Unifor, contou com a ajuda do buddy Mateus Medeiros, estudante de Arquitetura e Urbanismo, durante sua chegada à cidade. “Eu vi a mensagem que a assessoria enviou falando sobre participar do Buddy Program e no início eu não sabia se precisava, porque gosto de fazer minhas próprias coisas, mas então percebi que seria muito bom ter alguém aqui para me ajudar quando chegasse, porque é outra terra, outro país”. Marc conta ter conversado com Mateus durante os primeiros dias sobre diferenças culturais entre Brasil e Europa.

 

“No primeiro dia, ele [Mateus] estava me ajudando a dizer algumas palavras fáceis, que a gente usa todos os dias. Antes de eu vir pra cá, ele me mandou uma mensagem pelo Facebook se apresentando como meu buddy e dizendo que quando eu chegasse, poderia falar comigo para nos encontrarmos. Para mim, saber sobre o buddy foi uma situação tranquilizante. No começo eu estava um pouco preocupado sobre não conhecer o lugar e nada e quando soube que tinha alguém aqui para ajudar, foi melhor pra mim, me senti mais seguro”, completa Blanch, que permanece na Unifor até o final deste semestre.

 

 

UN-262_15

 

Treinando uma língua estrangeira


Uma das novidades do Buddy Program, implementado já na segunda (e atual) edição é o Tandem. Opcional e complementar, este programa fortalece um dos ideais iniciais do buddy, que é o treino de uma língua estrangeira. Nele, o aluno Unifor deve se dedicar semanalmente à prática de idiomas com os alunos estrangeiros. Outras atividades atreladas ao programa inicial incluem eventos organizados pela própria Assessoria, como o Sports Day e a Feira das Nações, no intuito de incentivar maior integração entre os alunos participantes e os intercambistas.

 

 

Juliana Sant’anna (esquerda) e Giselle Ferreira (direita)
amaram tanto a ideia do Buddy Program
que participam pela segunda vez dele.

 

 

Como posso me tornar um buddy?

Se você tem interesse em se tornar um buddy, preste atenção ao seu Unifor Online. As inscrições ocorrem lá, por meio do preenchimento e análise de uma ficha durante a primeira etapa, e entrevista em língua estrangeira na segunda. As inscrições abrem ao final de cada semestre.

 

 

Na Agenda


Eventos proporcionam uma maior interação entre alunos Unifor e estrangeiros. Confira e participe!

 

Sports Day

Celebrado no Dia Internacional do Esporte, (17 de março) este evento é organizado como um momento de recreação, para que os alunos, brasileiros e intercambistas, possam descontrair e interagir mais.

 

Feira das Nações

Com a próxima edição agendada para o dia 5 de maio, dentro da Feira de Profissões Unifor, a Feira das Nações permite que alunos de dentro e fora da Universidade possam vivenciar e presenciar um pouco dos programas internacionais que ela abriga, sendo também um momento para conversar com os alunos estrangeiros.

 

Cultural Connection

Neste evento, os alunos Unifor se reúnem com estrangeiros que cursam a mesma área. A ideia é criar uma ligação tanto cultural quanto profissional dos alunos Unifor com os alunos intercambistas. Fique atento para a próxima edição, que anda não tem data definida!

 

 

 

 

Depoimentos

 

“A gente da Assessoria para Assuntos Internacionais está sempre tentando acrescentar algo novo para que possa realmente ocorrer esse convívio maior entre o aluno Unifor e o estrangeiro, para que ambos possam criar vínculos de amizade que continuem após o término do intercâmbio”.

 

Lina Sena, coordenadora da Assessoria de Assusntos Internacionais.

 

UN-262_16

 

 

 

“Eu vi a mensagem que a assessoria enviou falando sobre participar do Buddy Program e no início eu não sabia se precisava, porque gosto de fazer minhas próprias coisas, mas então percebi que seria muito bom ter alguém aqui para me ajudar quando chegasse, porque é outra terra, outro país.”

 

Marc Blanch, espanhol, atualmente cursando Administração na Unifor.

 
Banner
Banner

Unifor Notícias | Portal Unifor | Fundação Edson Queiroz
Estude na Unifor | Central de Atendimento | Twitter
Fundação Edson Queiroz todos os direitos reservados