Banner

Como posso participar de programas acadêmicos e ganhar uma bolsa?

A Universidade de Fortaleza dispõe de programas que possibilitam o engajamento dos alunos em atividade acadêmicas e culturais. Conheça alguns deles.

un-260-foto28

 

A Unifor oferece um mundo de oportunidades para seus alunos. Desde a qualidade de infraestrutura dos laboratórios ao programa de monitoria acadêmica e às manifestações de arte no campus, tudo é pensado para que você possa viver intensamente a Universidade. Muitas dessas oportunidades incentivam a participação em atividades acadêmicas, geralmente oferecendo bolsas aos estudantes.

 

Ingressou agora e tem interesse? O nosso jornal separou alguns programas para que você, aluno Unifor, saiba como aproveitar ao máximo sua experiência conosco.

 

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

 

Já pensou em adquirir novos conhecimentos por meio da pesquisa? A Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (DPDI) disponibiliza bolsas através do Programa de Iniciação Científica, destinadas a alunos interessados não só em crescer dentro da área acadêmica, mas também em realizar novas descobertas. Para participar, é necessário procurar o Núcleo de Pesquisa (NUPESQ) de seu respectivo centro, além de buscar aproximação com algum professor já engajado em projetos de pesquisa. Também é importante estar atento aos editais disponibilizados pela DPDI no Unifor Online, assim como estar cadastrado no banco de alunos voluntários a Projetos de Inovação, campo já disponibilizado na mesma plataforma digital.

 

De acordo com o diretor da Divisão, professor Vasco Furtado, a iniciação científica não é voltada somente para aqueles que têm interesse na docência, mas também para quem visa a empreender no futuro. “Queremos que o aluno compreenda como funciona a pesquisa científica para que ele possa considerar a opção acadêmica, mas também a de pesquisa para a indústria, ou ainda a de criar uma start-up, por exemplo, com o conhecimento que ele adquire de forma mais aprofundada quando realiza estudos científicos. Hoje em dia, temos vários inovadores que se formaram academicamente para produzirem suas ideias. A inovação requer conhecimentos técnicos e científicos”.

 

Os editais para bolsas de pesquisa costumam ser disponibilizados entre os meses de maio e junho. Para participar do banco de alunos da DPDI, os estudantes devem ter Performance Média Global (PMG) maior ou igual a 7,0, no mínimo vinte créditos cursados e não mais de duas reprovações em seu histórico acadêmico.

 

MONITORIA ACADÊMICA

 

Com seleções anuais, o Programa de Monitoria Acadêmica é indicado a estudantes no meio do período de graduação que tenham cursado alguma disciplina a qual lhes tenha despertado o interesse em se aproximar da docência e auxiliar outros estudantes. “A principal intenção é fazer com que o aluno, ainda cursando o ensino superior, tenha interesse pela docência universitária, aproxime-se das práticas pedagógicas e seja protagonista de atividades que promovam o ensino e a aprendizagem, muito nessa vertente de parceria com o professor”, explica a professora Michelle Galvão, responsável pelo Programa.

 

Dentre as competências desenvolvidas durante o programa, estão as de relacionamento, de trabalho em equipe, comunicação e expressão. “Na hora que ele precisa desenvolver um artigo, que é obrigatório para todos os monitores, ele aprimora a escrita, em princípio uma escrita científica, e, em alguns casos, em nível corporativo, a necessária leitura e o espírito de liderança”, complementa Michelle.

 

Existem duas modalidades de monitoria: a institucional e a voluntária. Para participar das inscrições, os alunos devem ter sidos aprovados com nota superior a 7 na disciplina escolhida. Os alunos aprovados para a monitoria institucional recebem uma bolsa de ajuda de custo. Já os monitores voluntários recebem certificado de atividades exercidas, que vale positivamente em currículos científicos.

 

ATIVIDADES CULTURAIS E ESPORTIVAS


un-260-foto4

Cercada de cultura por todos os lados, a Unifor realiza regularmente atividades destinadas ao núcleo estudantil, com seleções para os diversos grupos artísticos da Universidade. Os estudantes podem participar de seleções para integrarem o Coral, a Camerata, a Cia. de Dança, a Big Band e o Grupo Mirante de Teatro. Quando há abertura de vagas, a chamada para o ingresso de novos componentes ocorre por meio do Unifor Online, com testes presenciais que avaliam a aptidão do aluno para ocupar a vaga.

 

Caso consiga destaque e seja aprovado nas audições, o estudante pode receber uma quantia mensal de ajuda de custo (nos casos do grupo Mirante de Teatro, da Big Band, da Camerata), por participação em atividades (no caso do Coral) ou um desconto progressivo na mensalidade (no caso da Cia. de Dança). Os alunos interessados também podem atuar como mediadores em exposições do Espaço Cultural Unifor. Nesse caso, é feita uma seleção curricular (com entrevistas), que antecede a abertura de cada exposição. Caso seja aprovado, o estudante é contratado temporariamente pela Universidade para guiar grupos de visitantes durante o funcionamento da mostra.

 

A Universidade também proporciona diversas oportunidades para quem se interessa por atividades físicas. Com um parque desportivo completo, a Unifor oferece bolsas de 20%, 30% ou 40% de desconto na mensalidade de quem ingressa em um dos seus times oficiais. As bolsas variam a partir do desempenho físico e acadêmico do estudante, principais pontos avaliados durante o processo seletivo na modalidade escolhida.

un-260-foto2

As seleções esportivas que disponibilizam as possibilidades de bolsa são as femininas e masculinas de futebol, basquete, voleibol, futsal e lutas, além do time masculino de handebol. A avaliação para ingresso nos times consiste em seis meses de acompanhamento do nível de habilidade física do aluno, além de exigir compromisso com as atividades acadêmicas.

 

 

E SE EU QUISER UM ESTÁGIO?


Para os estudantes que desejam ingressar desde cedo no mercado de trabalho, a Unifor conta com uma Divisão de Estágios. Estágios em diversas áreas de atuação, tanto dentro da Universidade quanto em outras empresas, são disponibilizados diariamente através da Divisão. Localizado no primeiro andar do Centro de Convivência, o setor expõe um “painel de oportunidades”, que também pode ser acessado virtualmente por meio de um portal (www.estagios.unifor.br). Além disso, a Divisão providencia termos com as leis do estágio, para garantir que os estudantes estejam sempre cientes de seus direitos dentro das empresas.

 

Para quem ainda tem inseguranças quanto à orientação profi ssional, a Divisão de Estágios proporciona acompanhamento de psicólogos, atuando com o desenvolvimento de alunos para o mercado de trabalho por meio do auxílio à elaboração inicial e melhoria de seu currículo, assim como no esclarecimento de dúvidas acerca de entrevistas de estágio e dinâmicas em grupo.

 

Outra importante atividade organizada pelo setor é a promoção de ofi cinas: “A cada semestre, elaboramos oficinas sobre mercado de trabalho para todos os centros (CCS, CCJ, CCG e CCT), para capacitar o aluno de forma diferencial nos processos seletivos e garantir que ele passe naquela vaga que tanto almeja”, explica Mayara Medeiros, estagiária de Psicologia do setor. “Essas oficinas duram três dias, sendo dois dias de atividades e um dia de devolutiva sobre os testes aplicados”, complementa. Ainda de acordo com ela, a parte administrativa do setor trabalha com os termos necessários para o aluno estar de acordo com a empresa e seguro diante do seu ambiente de trabalho, como os de compromisso, aditivos, de rescisão e relatórios de atividades.

 

 

DEPOIMENTOS


un-260-foto11

 

 “Iniciei a participação voluntária em um grupo de pesquisa na área de saúde coletiva e gostei. Quando surgiu a oferta da bolsa, a professora responsável me comunicou e perguntou se eu tinha interesse e, como eu já estava como voluntária , fiz o processo solicitado pela Unifor. O grupo, Universidade Promotora de Saúde, busca observar, pesquisar e estudar sobre a promoção de saúde, principalmente no âmbito universitário. No semestre passado, dediquei-me mais em conhecer o meio acadêmico e me encantei. Quero conhecer outras áreas em que poderei atuar em minha futura profissão, mas, com certeza, este é um ponto forte em meu projeto de vida. A experiência que estou adquirindo vai além da teoria e da pesquisa, vai também para a vida pessoal. A pesquisa é uma das esperanças para um mundo cada vez melhor. Estou plantando e espero colher bons frutos lá na frente”.

 

Luiza Valeska Martins é aluna do 7º semestre de Psicologia e bolsista do Programa Nacional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

 

 

 

Faço parte de um grupo de pesquisa constituído por alunos de mestrado em informática aplicada e bolsistas de pesquisa. Estou planejando fazer uma pós-graduação , quem sabe abordando o assunto explorado pelo grupo. Fazer parte disto está sendo altamente benéfico, pois, ao lidar com assuntos mais sérios e mais específicos do meu bacharelado, aprendi a enxergar os tópicos inerentes a ele através de um horizonte cada vez mais amplo. Enquanto obtenho este ganho profissional, sinto-me cada vez mais independente e confiante em mim mesmo, preparando-me para futuras oportunidades”.

 

Vítor Marques é aluno do 6º semestre de Ciências da Computação e bolsista de Pesquisa pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

 

 

“Faço parte do núcleo de pesquisa em tecnologias no cuidado materno infantil (NUPESTECMI), coordenado pelas professoras Karla Rolim e Mirian Pinheiro. O grupo aborda a humanização do cuidado ao binômio mãe e filho, a relação entre enfermeiro e recém-nascido, a família na ambiência neonatal e as tecnologias no controle de agravos na saúde do recém-nascido. Tenho interesse em seguir a carreira acadêmica e penso em fazer residência, mestrado e doutorado. Gosto muito de poder contribuir e ajudar as pessoas com as pesquisas. Essa bolsa deu a oportunidade de continuar acreditando nos meus sonhos. Parece ser uma coisa meio clichê, mas é muito tempo dedicado e muito afeto envolvido. Pesquisar pode e deveria ser uma boa forma de seguir o seu coração e de ajudar as pessoas.”

 

Carlon Washington é aluno do 9º semestre de Enfermagem e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

 


 
Banner
Banner

Unifor Notícias | Portal Unifor | Fundação Edson Queiroz
Estude na Unifor | Central de Atendimento | Twitter
Fundação Edson Queiroz todos os direitos reservados